03/07/2012

galeria entrevista Teresa e Helena Jané

Terça-feira é dia de entrevista na galeria portuguesa.
Saiba um pouco mais sobre a Teresa e a Helena Jané.


A Teresa e a Helena Jané são irmãs com um ano de diferença. Criam e produzem peças contemporâneas com mensagem. Peças “que contam histórias pessoais ou universais, tristes ou alegres, com horror ao efeito fácil, ao déjá vu, ao brilho vão”.
A Teresa tem o Curso Técnico-profissional de Artes Gráficas e Comunicação da Escola António Arroio, e licenciou-se em Design Visual pelo IADE em 1996. Trabalhou como designer em agências de publicidade.
A Helena licenciou-se em Organização e Gestão de Empresas pelo ISCTE em 1995, e tem o Curso de Formação de Formadores de Formadores da Fundação Oliveira Martins. Trabalhou na área da Formação, vertente comportamental.
Em 2002 decidiram arriscar tudo neste projeto: THJané (Handmade Portugal).
Trabalham há cerca de dez anos na conceção e produção manual de peças no âmbito da cerâmica contemporânea, essencialmente jóias e objetos de autor.
Apostam em peças únicas e assinadas, e na elevada qualidade da sua manufatura.

Originalidade, inovação e qualidade é o que as desafia.



Só têm um ano de diferença. Sempre se deram bem?
R: Não, nem sempre. Lembra-se do vídeo da música dos New Order, “True Faith”? Aquele que começa com dois maluquinhos à estalada? Pois bem, passou-se mais ou menos assim, por volta dos 5 ou 6 anos de idade.
Deixámo-nos disso assim que pudemos, até porque morríamos de vergonha perante os nossos irmãos, cinco anos mais velhos. Quanta maturidade e nós naquilo...
Entretanto, vamo-nos mantendo “entre o sol e a sombra”. A Teresa, quase sempre, mais solarenga.

Em 2002 decidiram apostar num projeto próprio. Qual foi a principal motivação?
R: Reduzir a insegurança quanto ao nosso futuro profissional, “antecipar riscos e perigos”.
Nessa altura, pairava sobre todos a já carregada nuvem da crise.
Tornou-se essencial encurtar caminho e acelerar, evitar que a ambição e o tempo nos escapassem.
Condições mínimas reunidas, ala que se fazia tarde. Para onde? Para o mercado nacional. Haverá júri mais exigente na apreciação do trabalho de artistas portugueses?
Em Janeiro de 2002, apresentámos aqueles que viriam a ser os primeiros objetos THJané – uma vasta coleção de puxadores de cerâmica, assente em formas cónicas e motivos orgânicos, projetada ao longo dos últimos 4 meses do ano anterior, com a particularidade (de que muito nos orgulhamos) da rosca «esculpida» na própria cerâmica.



E quais foram as maiores dificuldades?
R: Encontrar «as» parcerias para representação e comercialização dos produtos.
É certo que entrámos no mercado com uma facilidade surpreendente. Até pela nossa inaptidão para angariar contactos em bares e outras festas que, desde logo, inviabilizou o recurso à velha fórmula.
Mas não bastou. Foi fundamental garantir o respeito mútuo por compromissos, investir no conhecimento e clarificação de missões.

Cresceram rodeadas por fotografia, livros e objetos originais. A arte tem estado sempre presente na vossa vida, desde o piano à cerâmica. O que vos deu bagagem, certamente. São muito exigentes com o vosso trabalho?
R: Muito.
Independentemente de referências, talentos ou capacidades, por um lado, há que manter a História presente, por outro, não menosprezar a habilidade dos nossos contemporâneos.
É que não podemos ser «autistas». Na certeza de que haverá sempre alguém que o fará melhor que nós, preferimos acreditar em identidades próprias que primam pela diferença.
Na última feira do livro, em Lisboa, a propósito do seu caderno “Fui para Sul”, perguntei a Agualusa “para quando o próximo livro, acompanhado por ilustrações do autor?”.
Respondeu-me “Há quem faça muito melhor!”. É bem verdade... mas não da mesma forma.
Voltando à sua questão, a exigência tornou-se, para nós, um fator fundamental, que podemos revelar  na construção de conceitos, no detalhe ou no acabamento das peças.

Organizam os dias ou trabalham por instinto?
R: Já lá vai o tempo em que era possível planear a atividade a 4 meses, depender, em exclusivo, de informações e encomendas das lojas.
Atualmente, organizamo-nos ao dia e trabalhamos, cada vez mais, por instinto.
A forte oscilação do mercado obriga-nos a um esforço acrescido em matéria de reprogramação de estratégias. Pior ainda. A Europa tornou-se uma pequena aldeia, em que a galinha do vizinho já não é melhor que a nossa! E agora? [retomamos este assunto numa próxima questão]

E trabalham juntas ou cada uma para seu lado?
R: Meio meio. 
Podemos passar o dia cada uma para seu lado. Mas chega o tempo em que voltamos à discussão, à resolução de problemas e à negociação de consensos. Em seguida, passa-se o testemunho e volta-se ao trabalho individual.



Costumam usar as vossas peças?
R: Sempre que possível.
No caso das jóias, até começou com umas pulseiras que resolvi fazer para mim, sem intenção de as enquadrar no projeto. Alguns meses mais tarde, em 2004, a Dupla Rectângulos viria a ser testada na loja Poeira, em Lisboa, entre puxadores e amostras de decoração de interiores.  
Por hábito, quando usamos as nossas peças, costumamos misturá-las com outros acessórios, mesmo não sendo made in THJané. Aliás, foi o que tentámos sugerir quando apresentámos a gargantilha UING com uma medalha da Nª Sª do Carrapito.

Existe UMA peça especial?
R: O Braille.
Esta peça que mantivemos em estudo durante um ano, foi, originalmente, pensada para outro material, a prata. E consistia apenas na chapa.
O orçamento para a sua execução chegaria demasiado tarde. Voltámos a antecipar-nos e, enquanto exasperávamos pelo dito orçamento, fomos trabalhando uma nova solução. Foi assim que o Braille chegou às lojas poucos dias antes do Dia dos Namorados, no ano de 2006.
É, sem dúvida, a peça mais democrática que alguma vez idealizámos. Acessível no preço, conquistou a generalidade do público e, até hoje, mantém-se à venda no mercado.
Também é a mais controversa. Arte ou crafts? O que quiserem.
Foi adquirido por Robert Duffy, por uma estudante portuguesa de História D'Arte, por responsáveis do MoMA e por todos os outros a quem, desde já, agradecemos a preferência.


Têm projetos para um futuro próximo?
R: Sim.
Hoje, como ontem, esforçamo-nos por levar a tempo inteiro esta nossa atividade. Até aqui, tem sido possível fazê-lo.
Em 2010 valeu-nos retornar com a nossa bijuteria ao mercado (atualmente, é possível encontrar a coleção origens no roteiro de lojas entre a Baixa e o Castelo de São Jorge).
Quanto a novos trabalhos, destacamos a coleção de jóias wearable art, para meados de Outubro. Podemos adiantar que se trata de uma edição limitada, com novas, digo, velhas mensagens, assente em esculturas assinadas pela Teresa. À semelhança da coleção mundus, recorreremos a outras técnicas e materiais para além da cerâmica.



Para além de se dedicarem a este projeto, que outras coisas gostam de fazer?
R: Esta vai por tópicos, sem arrumação:
apanhar plantas no lixo dos outros e trazê-las ao jardim da casa;
IR ao cinema;
passear a pé pela grande Lisboa, se possível, em dias de semana;
sessões de slides e fotografias;
praia
(...)

E, no dia-a-dia, o que menos gostam de fazer?
R: Nada tem de original, mas não há meio de gostarmos do trabalho doméstico. Aspirar, passar a ferro, cozinhar ou fazer supermercado; camas de lavado, casa de banho, limpar o atelier e sei lá mais o quê..... Safa!

Sugiram alguém português que, para ambas, seja inspirador.
R: O Maestro José Atalaya, pela Música e pela divulgação dos músicos. Mais, não esqueçamos o que faz pelo público em geral. É absolutamente incrível.
Lembro-me que durante as sessões de “Música em Diálogo” no São Luiz, a que costumávamos assistir com os nossos pais e irmãos, inexplicavelmente, este Grande senhor conseguia manter-nos presas à cadeira.
Décadas mais tarde, longe de ficar preso à cadeira (chegou mesmo a deitar-se de costas, perninhas no ar), o nosso sobrinho Simão assistiu pela primeira vez a uma destas sessões no Atlântida Cine, em Carcavelos. No final, ficámos com a ideia de que talvez fosse cedo de mais ou que, para estreia, não tivessemos escolhido o programa mais adequado à sua idade (6 anos).
Reza a história que no dia seguinte, a caminho da escola, sem mais nem ontem, se virou e disse “Gostei mais do Carlos Seixas, mãe” (pobre Scarlatti).
E aí vai mais um. Ainda hoje tentamos perceber como é que Atalaya o faz.

Sem comentários:

Publicar um comentário